| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Serra e Cia / RJ
Desde: 25/08/2004      Publicadas: 906      Atualização: 01/07/2006

Capa |  BUSCA NA WEB  |  CACHOEIRAS DE MACACU  |  CLIMA / TEMPO  |  COMÉRCIO LOCAL  |  COTAÇÃO - DÓLAR  |  CURSOS GRÁTIS  |  DESTAQUES  |  DOWNLOADS  |  ESPAÇO GOSPEL  |  ESPORTE & CIA  |  GAMES  |  HOSPEDAR-SE  |  HUMOR  |  IMAGENS AO VIVO  |  IMÓVEIS  |  MODA ÍNTIMA I  |  MODA ÍNTIMA II  |  NOTÍCIAS  |  NOVA FRIBURGO  |  OPINIÃO  |  POINTS da SERRA  |  PROMOÇÕES  |  RESTAURANTES


 ESPORTE & CIA

  14/09/2004
  0 comentário(s)


REDUZINDO SEU RISCO

by Greg Hamerton - 25 de Agosto de 2001.
"Mantenha uma boa margem de segurança", o instrutor aconselha. Legal. Mas o que isso significa? Como você pode reduzir seu risco quando decola de uma montanha com um pedaço de pano (e eventualmente alguns metais)?

REDUZINDO SEU RISCOVoadores livres são expostos a uma gama de riscos, os quais advêm de diferentes aspectos do ambiente. Ao identificar em quais aspectos residem os maiores riscos, em um determinado dia de vôo, você poderá se empenhar para tomar medidas preventivas, a fim de aumentar suas margens de segurança nos demais aspectos. A idéia é reduzir o número de elementos de risco que podem acometer o piloto em um determinado momento.
Para gerenciar ativamente seu risco, encontre maneiras de contrapor um perigo em particular, tentando acender uma "luz verde" para cada aspecto (ver figura). Quanto mais perto do piloto, no centro da figura, estiver uma ameaça, mais "luzes vermelhas" deverão ser acesas, e mais cuidadoso você deverá ser com os outros elementos. Quando muitos elementos estão pressionando o piloto com alto risco, acidentes inevitáveis acontecem, os quais significam o total fracasso do gerenciamento de riscos. Você pode freqüentemente lidar com um risco de cada vez, mas quando duas ou três ameaças concorrem, coisas desastrosas podem acontecer. Ao examinar cada aspecto separadamente, eu espero dar a você algumas idéias que o ajudem a manter sempre uma boa margem de segurança.
TEMPO: Não importa o seu nível de experiência, de repente um tempo ruim pode "pegar você". Este é o risco mais importante a ser gerenciado. A primeira coisa que você pode fazer para reduzir este risco é observar a previsão do tempo. Isto parece simples, mas dá a você uma idéia do que esperar. Por exemplo, a previsão do tempo pode prever uma frente fria entrando pela manhã, com o vento mudando até 180º após sua passagem e aumentando para 50 km/h. Se o dia amanhecer com um ventinho de 15 km/h, você já fica com um alerta tocando na cabeça. Quanto mais mutável é o tempo, mais alto é o risco, porque a "sua previsão" e seu próprio julgamento na rampa são menos precisos do que a previsão oficial do tempo, realizada por órgãos especializados. Tudo bem, você já se encontra na rampa. Colocou sua luva de frio. Se o vento está mudando a direção da esquerda para a direita, ele está variável, o que aumenta o risco de turbulência. Se o vento está variando a velocidade de 5 km/h até 30 km/h, o risco de turbulência é ainda maior do que se estivesse com velocidade constante de 20 km/h. Dê uma olhada na direção média do vento. Quanto mais frontal em relação à rampa ele for, mais problemas de penetração você terá quando tentar escapar de ser levado para trás, sendo que seu risco aumenta se o vento frontal é forte. Mas se o vento está vindo ligeiramente de lado, o risco de turbulência aumenta, enquanto seu risco de ser levado para trás diminui. Finalmente, a força do vento é vital - quanto mais forte, menor será sua tolerância aos outros riscos, porque as coisas podem dar errado mais rápido.
ASA: Até que você tenha realizado um curso de SIV e esteja familiarizado com os limites de seu atual parapente, você está voando uma asa cujo risco é maior do que necessita, especialmente se é uma vela nova, ou você trocou sua antiga por outra de classe superior. Procure escolher uma asa que o fará feliz o tempo todo, não apenas em condições tranqüilas. A classificação DHV ou AFNOR é uma boa diretriz, mas não diz explicitamente o que acontece quando a vela entra em colapso. Embora os fabricantes gostem de anunciar a velocidade máxima da asa, a velocidade usual é normalmente mais baixa, e piora com a presença de turbulência, especialmente em modelos de alta performance. Asas de competição, alongadas, fazem uso de sua velocidade superior e podem voar quando você não pode. Contudo, em dias muito turbulentos, o risco de sua asa Standard ainda será menor do que uma de competição. Finalmente, uma inspeção regular no equipamento e checagens anuais pela fábrica (ou representante) irão ajudar a manter o risco de sua asa baixo.

SÍTIO DE VÔO:
Para exemplificar, imagine todos os cinco outros elementos de risco na "luz vermelha" por um momento. Você pegou um parapente de competição emprestado pela primeira vez. E tem uma selete antiga sem proteção nenhuma contra impactos. Você não tem bota especial para vôo livre nem capacete. Você não sabe qual a previsão do tempo. O vento é forte e entra cruzado na rampa. Já está sentindo um arrepio só de imaginar? Bom, agora olhe para o novo sítio de vôo à sua frente. O terreno é pedregoso e acidentado, aumentando o risco de turbulência e limitando as áreas de pouso de emergência. Pequenas áreas de pouso com condições de aproximação crítica, com fios e cercas de arame farpado, aumentam o risco também. Se não existem indicadores visíveis de vento (lagos, queimadas, pára-quedistas) o risco do sítio é ainda maior. Ao voar cross-country, você estará entrando em um novo sítio de vôo a cada cinco minutos, os quais irão requerer análise constante, e muita precaução. Um piloto à sua frente voa diretamente acima de um venturi e parece estar bem. Você deve segui-lo? Bem, pergunte a você mesmo quanta experiência aquele piloto tem. Se você tem menos experiência (ou não sabe), você deveria acender uma "luz vermelha" por estar voando tão próximo. Posicione-se na parte mais segura do ar, onde você poderá continuar voando, não na parte mais rápida. Isto diminui seu risco enquanto você está adquirindo a experiência e habilidade necessárias.

EQUIPAMENTO:
Boa e velha armadura. Qualquer coisa que você coloque entre você e o chão reduz seu risco neste aspecto, e isto é tão fácil quanto utilizar seu cartão de crédito. Proteja-se com capacete integral, botas especiais de vôo, espuma (mousse) espessa na selete (especialmente na base da coluna), protetor de joelho e cotovelo. Você pode colocar airbag para dobrar sua segurança. Você ficará mais esquisito se estiver acidentado numa cama de hospital do que cheio de equipamentos de proteção. Além disso, as pessoas não ficarão vendo você por muito tempo - você não vai ficar em pé na rampa o dia inteiro, vai? Pára-quedas reserva é uma excelente idéia, mas ele não reduz seu risco apenas pelo fato de o adquirir. Você deve aprender a utilizá-lo, e verificar seu sistema regularmente. Acionamentos acidentais são ocorrências arriscadas. Além disso, 50% dos reservas que eu manipulei em oficinas de dobragem tinham problemas de acionamento, freqüentemente devido a velcros gastos, seletes mal projetadas, ou elásticos incorretamente usados nas dobras. Erros de dobragem são menos comuns, mas isso nos alerta a compreender o reserva para que ele possa trabalhar para você e não contra você. Mantenha-se em contato via rádio e celular para que possa se beneficiar de conhecimentos compartilhados e equipes de resgate. Finalmente, um GPS é uma ferramenta muito útil para vôos cross-country, dando a você uma atualização constante da velocidade em relação ao solo, o qual reduz seu risco de ser arrastado para uma área turbulenta.

HABILIDADE:
Alguns pilotos são naturalmente hábeis, outros devem aprender do modo mais difícil. Infelizmente, é da natureza humana pensar que estamos no primeiro grupo até nos darmos mal. Existe um caminho mais fácil para desbordar esta armadilha. Mesmo que você seja a reencarnação de um pássaro, siga os passos da aprendizagem difícil (você poderá realizar isto mais facilmente ;-).
Manobras aprendidas em um curso de SIV são um bom começo, mas depois disso você poderá desenvolver sua habilidade praticando, praticando e praticando - sempre mais. A consciência e sensibilidade que você adquire com sua asa são inestimáveis. Uma maneira mais rápida de melhorar sua habilidade é levar seu parapente para um campo ou sítio tranqüilo e trabalhar no manejo em terra. Decolagens profissionais fazem maravilhas pelo gerenciamento do risco. Por decolagens profissionais quero dizer que você deve decolar quando você decidir, não quando o grupo decidir. Quando você estiver alto no ar, seja crítico quanto à sua posição em relação aos outros. Quanto maior seu perfil geral de riscos, mais longe do chão ou de zonas de compressão você deverá estar, apenas para manter-se ciente dos outros. Quando você é novo no esporte, sua habilidade de reconhecer o perigo é limitada, assim você só nota que está na roubada quando as coisas já estão muito ruins. Esta é outra razão por que você deverá estar bem afastado da elevação, à frente dos pilotos mais experientes que estão indo "lá para trás".

CONHECIMENTO:
O melhor é a experiência que se adquire com o tempo de vôo. Assim, se você não é da área onde pretende voar, saiba que seu risco é grande, a menos que você tenha centenas de horas de vôo nas costas. Nos dias de descanso, procure apreender o máximo de teoria que você possa, a fim de aumentar seu conhecimento. Muitos livros e manuais bons já foram escritos sobre vôo livre, tempo, e primeiros socorros. Existem web sites sobre vôo livre, listas de discussão, e mesmo estórias contadas no "bar dos voadores" (sempre existe um) contêm um pouco de verdade. Cursos de cross-country, cursos de SIV e competições aumentam seu conhecimento. Quanto mais envolvido você se torna, mais aumenta seu conhecimento e assim ajuda a reduzir seu risco. Mas esteja consciente de que você poderá algumas vezes superestimar seu conhecimento - isto é uma característica humana. Nós sempre fazemos isto em alguma ocasião.

JUNTANDO TUDO O QUE FOI DITO:
Você adquiriu um novo parapente, uma classe mais performante que o seu usado. Assim, o aspecto ASA está no vermelho (novo parapa + upgrade). O que você pode fazer para reduzir seu risco? Escolha os outros elementos cuidadosamente - vá para o sítio de vôo mais seguro que você possa hoje, seja menos tolerante com o risco TEMPO do que está acostumado, assuma que você possui menos HABILIDADE do que você sabe que possui e voe de acordo, procure todo CONHECIMENTO que puder sobre a asa nova, seu DHV, e sobre o sítio que estará voando, e, finalmente, coloque alguns EQUIPAMENTOS extras entre você e o chão.
Faça tudo o que puder para ter o máximo de "luzes verdes" em seu painel, em todos os vôos. Desta forma você estará sempre com uma boa margem de segurança.
  Web site: www.abvl.com.br


  Mais notícias da seção FIQUE POR DENTRO no caderno ESPORTE & CIA
03/11/2004 - FIQUE POR DENTRO - Cuidados com a alimentação
A alimentação, além do condicionamento físico, é um dos fatores mais importantes na vida esportiva de um atleta. É através dela que obtemos o "combustível" que mantêm o nosso organismo ativo e pronto para o treinamento e competição....
23/10/2004 - FIQUE POR DENTRO - Rafting - Quem pode praticar
Para se ter uma idéia, com a descoberta desse esporte pelos brasileiros, hoje em dia mais de 300 pessoas se esbaldam encarando corredeiras todo fim de semana. Por que tanta procura? Pra começar, porque Rafting é sinônimo de pura emoção, proporciona um contato intenso com a natureza e, principalemnte, é seguro. E exatamente isso tem atraído grupos d...
23/10/2004 - FIQUE POR DENTRO - Rapel - O Rapel no Brasil
Um grande equívoco Vem acontecendo, de uns tempos pra cá, verdadeiros absurdos em relação a um termo muito difundido entre atividades como escalada, espeleologia e canyoning: o "Rapel"....
23/10/2004 - FIQUE POR DENTRO - Rapel - Estilos do Esporte
O rapel tem alguns estilos bem diferentes de ser praticados. Dê uma olhada abaixo e saiba um pouco mais sobre cada um deles....
23/10/2004 - FIQUE POR DENTRO - Rapel » Quem pode praticar
O rapel nada mais é do que a técnica usada para efetuar uma descida vertical com o auxílio de uma corda. Utilizado por escaladores ao final de uma grande escalada, por espeólogos, ao descerem em profundas cavernas, por bombeiros, para o resgate e para efetuar o salvamento de vítimas, ou mesmo por pequenos aventureiros que descem viadutos, prédios, ...
14/09/2004 - FIQUE POR DENTRO - Histórico do vôo livre no Brasil
O Vôo Livre vem sendo praticado nos céus do Brasil desde a década de 70. Tudo começou quando em julho de 1974 um piloto francês, Stephan Segonzac, fez um vôo do alto do Corcovado no Rio de Janeiro. A façanha despertou a atenção de muitas pessoas e logo surgiram os primeiros interessados em aprender a arte de voar. Dois dos mais entusiasmados procur...



Capa |  BUSCA NA WEB  |  CACHOEIRAS DE MACACU  |  CLIMA / TEMPO  |  COMÉRCIO LOCAL  |  COTAÇÃO - DÓLAR  |  CURSOS GRÁTIS  |  DESTAQUES  |  DOWNLOADS  |  ESPAÇO GOSPEL  |  ESPORTE & CIA  |  GAMES  |  HOSPEDAR-SE  |  HUMOR  |  IMAGENS AO VIVO  |  IMÓVEIS  |  MODA ÍNTIMA I  |  MODA ÍNTIMA II  |  NOTÍCIAS  |  NOVA FRIBURGO  |  OPINIÃO  |  POINTS da SERRA  |  PROMOÇÕES  |  RESTAURANTES
Busca em

  
906 Notícias


POINTS da SERRA
 

FIQUE POR DENTRO

 

teste


CACHOEIRAS DE MACACU
 

Telefones Úteis

 

Vários Telefones Úteis da Cidade de Cachoeiras de Macacu


DESTAQUES
 

ON LINE

 

teste


HUMOR
 

Imagens & Cia

 

Semelhanças


IMÓVEIS
 

IMÓVEIS / CACHOEIRAS DE MACACU

 

COMPRA / VENDA / LOCAÇÃO


MODA ÍNTIMA I
 

Pólo Olaria

 

O melhor da Moda Íntima está aqui.


NOVA FRIBURGO
 

Conheça Melhor

 

Última parada: Nova Friburgo